22 outubro 2005

Referendo

Ia escrever bastante sobre isso, mas andei lendo as reportagens sobre o referendo amanhã e acho que já discutiram muito esse assunto e falaram a maioria das coisas que eu queria dizer.

Eu votaria não, obviamente, por achar que essa é uma das coisas mais ridículas ja propostas para serem votadas. É como votar SIM ou NÃO para o Clodovil deixar ou não de ser homosexual. Simplesmente não temos influência direta sobre isso. O resultado do referendo é completamente irrelevante.

Por outro lado, acho que esse referendo tem promovido discussão, o que é muito mais importante do que a votação em si. Tem mostrado diferentes lados da moeda e levantado propostas interessantes como a reportagem da Veja sugeriu essa semana por exemplo (e que devem estar surgindo nos debates e conversas de todo mundo ai).

Vendo de fora, me parece que todos estão muito interessados nisso. Engajados mesmo. Parece que o governo desviou o foco de todo mundo para o referendo para pararem de falar da crise que estamos passando. Mas, depois de amanhã, voltem a lembrar de Marcos Valério, CPIs, Maluf, Dirceu, jeitinho brasileiro e de todos os políticos que estarão nas próximas eleições. Elas são bem mais importantes do que o referendo, pois quem a gente elege pode realmente mudar alguma coisa.

Lembro ao pessoal que mora no exterior que acho que que precisa justificar o voto amanhã. Deem uma olhada nisso:

http://www.tre-df.gov.br/Pdf/justificativa_2004_ext.pdf

Muito bons os comentários de vocês sobre religião. Vou escrever mais sobre isso outra hora. É um assunto que todo mundo gosta.

8 comentários:

Anônimo disse...

Igor,

A opinião da revista Veja sobre o referendo deve ser ignorada, por mais consisitente que pareça ser, pois é tedenciosa demais. A Veja perdeu o seu papel dentro do meio de comunicação Revista quando partiu para parcialidade.
Quanto a sua opinião de que "o governo desviou o foco de todo mundo para o referendo para pararem de falar da crise que estamos passando", é bobagem. O referendo já estava
marcado há muito tempo. Não é de agora que eu ouço que o referendo sobre armas e munição aconteceria. O que vc deveria questionar que um assunto capaz de mudar o turno de nossa história teve pouco tempo pra ser refletido, sem a histeria do horário gratuito.

Abs,

Plinio BaLi

alê disse...

Igor,

vc sabia que a ex-namorada do Pol apareceu na propaganda do Não? É por isso q vc votaria Não?

Abs

Dolly disse...

Fui votar em Brotas hoje e tinha um mural enorme na frente da Associação Leitura na Praça (ou qualquer nome perecido) escrito 1-GUERRA 2-PAZ.
Eu me acabei de dar risada.
Acho que o único ponto bom dessa merda de referendo foi levar as pessoas a discutirem.
Eu acho que o NAO vai ganhar, mas os motivos pelos quais as pessoas estão votando no NAO são completamente equivocados. Um senhor na fila dizia que ia votar NAO porque ele não queria que o bandido olhasse a casa dele e pensasse "Aqui não tem armas", e completou dizendo que "Tiram-se os revólveres mas bandido usa faca. E faca é muito pior".
Triste mesmo foi ver um amigo doutorando argumentando a favor do SIM e perguntando: "Você acha que qualquer um deve ter direito de comprar granadas e mísseis?"
Depois dessa só pude responder: "Sim, estou doida pra chegar na praia e pedir: me dá um côco, um acarajé e uma granada por favor."

Poliqueta disse...

Gordo,

muito mais interessante é a informação que li no consulado do Brasil na Austrália:
REFERENDO SOBRE O DESARMAMENTO - NOVAS INSTRUÇÕES

O Decreto Legislativo nr. 780/2005 prevê a realização, em 23 de outubro próximo, de referendo para consultar o eleitorado sobre a comercialização de armas de fogo e munição no território nacional, por meio da seguinte questão: "O comércio de armas de fogo e munição deve ser proibido no Brasil?".

O eleitor que na data do referendo que estiver no exterior poderá justificar sua ausência no prazo de 30 dias, contados a partir da data de regresso ao Brasil, por meio de requerimento dirigido ao Juiz da Zona Eleitoral em que está inscrito (Lei n. 6.091/74, art.16, §2.º);

Já os eleitores que passaram a residir definitivamente no exterior e ainda mantêm inscrição vinculada em Zona Eleitoral de Unidade da Federação brasileira, recomenda-se a transferência de seu domicílio eleitoral para o país que atualmente se encontram. Assim fazendo, subsistirão a essas pessoas a obrigação de votar apenas nas eleições presidenciais (CódigoEleitoral, art. 225).

Esclarecemos que, diante da ausência de regulamentação por parte do Colendo Tribunal Superior Eleitoral, as Representações Diplomáticas brasileiras não servirão de postos de coleta de justificativas para os eleitores em trânsito no exterior.

Ressaltamos, ainda, que o formulário de justificativa eleitoral disponível no sítio do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (www.tre-df.gov.br) somente terá validade para o eleitor que estiver no
Brasil e necessitar justificar a ausência.

Ou seja, justifique quando voltar ao Brasil...

Poliqueta disse...

Gordo,

concordo com o Plínio em relação a Veja. Se você ler todas as matértias da Veja, vai ver que em todas as metérias tem que ter alguma coisa dizendo: "porque foi por conta do Lula e do seu governo petista corrupto'. E isso pode ser na seção de entretenimento, culinária ou o que quer que seja. Não estou dizendo aqui que o Lula seja santo (o que ele não é).

Inclusive não sei o que é pior, ter um presidente que não sabe de nada e dá espaço pra corrupção dentro do gseu governo, ou um presidente corrupto assumido.

Marcelo Dutra disse...

Igor
Tenho a mesma opinião do plinio sobre a reportagem da Veja: tendenciosa e pouco democrática, como aliás tem sido sua linha editorial face a crise atualmente em curso. Também acho um absurdo pensar que trata-se de uma manobra do governo para desviar a atenção.
Mas concordo totalmente quando você diz que o referendo serviu para mobilizar a população na discussão deste tema.
A comparação com a opção sexual do Clodovil foi a melhor definição que já ouvi............

Anônimo disse...

Igor,
De fato não dá pra confiar em qualquer opiniao da Veja já ha algum tempo. Tendenciosa demais da conta. Nesse episodio do referendo a materia de capa de algumas semanas atras foi "As 7 razões pra voce votar Nao". Assim descaradamente.
De qualquer modo, a questão foi tao mal colocada para a sociedade que suscitou muitas dúvidas e as interpretações foram as mais diversas possíveis. Pensar que o pais gastou milhões de reais ( ate onde eu sabia eram 260 ) para organizar esse referendo qdo todas as questões importantes sobre esse tema ja estavam resolvidas pelo estatuto do desarmamento, que disciplina literalmente tudo, desde quem pode possuir ate em q que situação, é simplesmente absurdo, porque é fazer o cidadão de besta. Na verdade, a unica coisa que o referendo poderia interferir é se as armas, pra quem tem direito de possuí-las de acordo com o estatuto, sera comprada nas lojas ou se na Policia federal p exemplo. E nada mais!!E isso muda o que na vida da sociedade?? E as pessoas ainda acreditavam q estavam votando pela guerra ou pela paz.Confusão total e praticamente ninguem sabia realmente no que estava votando
Realmente, voce acertou em cheio na sua comparação com o Clodovil. Bjo grande

Marcia disse...

Igor , o comentario anterior foi meu, tia marcia. Não consegui postar assinando normalmente. Minha senha não deu certo, ou esquecí , não sei (alias esse negocio de exigir senha pra postar comentario é uma chatice mesmo. tem um jeito de se livrar disso?)
Outro bjo , Marcia